Comissão de coordenação oncológia

A comissão de coordenação oncológica tem a composição e as atribuições definidas na Portaria nº 420/90, de 8 de Junho.
A comissão é presidida pelo director clínico ou por um elemento por si designado.
Para além do seu presidente, a comissão de coordenação oncológica é composta por 5 a 8 membros devendo contemplar especialistas da área de cirurgia, oncologia médica, de radioterapia, de anatomia-patológica e hematologia clínica.
São competências da comissão de coordenação oncológica:
Organizar as consultas de grupo, multidisciplinares, com o objectivo de analisar e definir a estratégia de diagnóstico e terapêutica relativa a casos clínicos oncológicos, estabelecendo normas para o seu tratamento.
Organizar campanhas de prevenção e rastreio do cancro;
Aprovar protocolos de actuação diagnóstica e terapêutica dos diversos tipos de doença oncológica;
Aprovar protocolos de actuação na prestação de cuidados paliativos e terminais oncológicos;
Emitir parecer sobre eventuais protocolos com outras instituições;
Promover e coordenar o registo do cancro ao nível do HGSA, no quadro da legislação específica, designadamente da Portaria nº 35/88, de 16 de Janeiro.